Cargando...

Grêmio paga R$ 7,2 milhões, chega a acordo com Kleber e encerra novela

Publicado em 01 - 06 - 2015
Grêmio paga R$ 7,2 milhões, chega a acordo com Kleber e encerra novela

Kleber ganha bolada na justiça e está livre no mercado

Uma reunião na Justiça do Trabalho, após a primeira audiência entre as partes, selou o acerto financeiro

O Grêmio e o atacante Kleber Gladiador, enfim, encerraram um longo imbróglio jurídico nesta segunda-feira. Uma reunião na Justiça do Trabalho, após a primeira audiência entre as partes, selou o acordo. O acerto foi de um montante total de R$ 7,2 milhões, a ser pagos em 60 parcelas para o jogador.

Os advogados do jogador, Kleber, o empresário Giuseppe Dioguardi e os advogados Gabriel Vieira e Jorge Petersen, que representam o Grêmio, fecharam o acordo e homologaram o acerto com a juíza da 9ª Vara do Trabalho. Depois, deixaram o local. O documento assinado e homologado prevê a ocorrência de multa se o clube atrasar o pagamento em mais de 30 dias. A multa é de 40% sobre o saldo devedor remanescente.

+VEJA COMO FICOU A SELEÇÃO DA QUARTA RODADA DO BRASILEIRÃO

+ MERCADO DA BOLA ESTÁ A TODO VAPOR

Além do pagamento do restante do contrato, Kleber pedia também R$ 17,4 milhões em dano moral. Somando, portanto, rescisão, danos morais e atrasos nos direitos de imagem, o atleta cobrava, no mínimo, R$ 30,4 milhões. Curiosamente, era um valor semelhante à cláusula de venda de seus direitos econômicos a um clube brasileiro, estipulada no contrato em R$ 40 milhões.

Apesar de Kleber ter obtido a liberação liminar, o processo prometia ser longo. Questões trabalhistas costumavam se arrastar na Justiça. De acordo com o advogado do Grêmio, Gabriel Vieira, a média é de resolução entre três e quatro anos. Mas o acerto finalizou a questão.

Contratado na gestão de Paulo Odone, no final de 2011, Kleber chegou ao Grêmio para ser o símbolo de uma nova era, o Gladiador na Arena prestes a ser inaugurada. O clube comprou 50% dos direitos econômicos do atleta por R$ 5 milhões.

O começo foi promissor, mas uma lesão grave no Gauchão de 2012 precipitou uma série de infortúnios clínicos, que, combinada com momentos de crise técnica, minou a paciência da torcida. Pesou ainda mais o retorno de Felipão ao Grêmio. Treinador e atacante estão brigados desde os tempos em que trabalharam juntos no Palmeiras.

Com isso o jogador fica livre para negociar com qualquer clube.

Notícias Mais Lidas

Deixe seu comentário